O COURO

O couro é uma matéria prima nobre, de natureza animal, resultante de uma técnica conhecida como curtimento. Essa técnica tem como objetivo o reaproveitamento e a preservação da pele animal proveniente da indústria alimentícia, que do contrário, seria descartada.

O curtimento trata e beneficia a pele, transformando-a em um material flexível, de alta resistência, durabilidade, e com muitas aplicações. Além disso, esse processo proporciona diferentes acabamentos na superfície do couro como tingimentos, cores e estampas.

A nobreza do couro está relacionada à sua exclusividade. Por ser uma matéria prima orgânica e natural, nenhuma pele é igual a outra e, consequentemente, o produto desenvolvido a partir deste material torna-se único também.

Os couros adotados pela Passos Leatherworks são de origem bovina, e utilizados na qualidade chamada acabado (pele curtida em cromo trivalente sem risco à saúde) com tingimento, e na qualidade atanado (pele curtida em tanino vegetal) sem tingimentos ou acabamentos.

Todos os produtos da Passos Leatherworks são inteiramente feitos com couro, tanto na parte externa, quanto na parte interna (forro), o que, somado aos trabalhos manuais de corte, montagem, acabamento, tingimento e entalhe, criam um produto final único, repleto de personalidade, e com um alto valor agregado.

Como identificar um produto em couro?

Hoje, o mercado apresenta diversos materiais criados com o intuito de reproduzir uma superfície semelhante ao couro. Alguns são desenvolvidos a partir de fibras orgânicas, e outros a partir de elementos inorgânicos, chamados materiais sintéticos. Visualmente, é difícil notar as diferenças, no entanto, nada se compara ao artigo original em termos de durabilidade, aparência e comportamento.

Uma das características marcantes do couro é o seu cheiro, e este é um dos aspectos que ajudam a reconhecer se um produto foi feito com couro ou não, pois dificilmente um material sintético, ou um material desenvolvido a partir de fibras naturais, poderá reproduzir o aroma original da pele animal tratada.

Durabilidade é outra qualidade revelada por este material. Um produto feito com couro, quando bem utilizado, cuidado e conservado pode durar por muitos anos. Certamente que, ao longo do tempo, devido ao desgaste natural e conformidade com o uso, o produto feito com couro apresentará uma aparência diferenciada da ocasião em que foi adquirido. Ainda assim, o desgaste natural e a conformidade com o uso são fatores que proporcionam história, maturidade, personalidade e charme ao objeto, enquanto produtos feitos a partir de materiais sintéticos ou outras fibras naturais, tem pouca durabilidade e geralmente apresentam como desgaste a descamação ou rachaduras em sua superfície. Além disso, o couro, por sua natureza orgânica, se reintegra facilmente ao meio ambiente quando descartado, o que não ocorre com os demais materiais sintéticos.

Outros atributos que podem ser destacados no couro, são as leves imperfeições que ele apresenta em sua superfície. Pequenas diferenças em sua textura, espessura, cor, e lesões sutis, podem ser encontradas em uma mesma pele, e consequentemente em um produto. Estes exemplos citados, não são considerados defeitos, mas sim, características naturais da pele, essenciais para identificar o couro, e que fazem parte da beleza e exclusividade do material.

A Lei do Couro

No Brasil, existe uma lei que proíbe o uso de expressões como “couro sintético”, “couro ecológico”, entre outras. A Lei 4.888, destaca que somente produtos oriundos de pele animal podem receber a denominação “couro”.

Também conhecida como Lei do Couro, ela foi elaborada e assinada pelo Presidente da República na década de 1960, e proíbe a utilização do termo couro em produtos que não sejam obtidos exclusivamente de pele animal. A sua infração constitui crime de concorrência desleal previsto no artigo 195 do Código Penal, cuja pena é detenção do infrator de 3 meses a 1 ano ou multa:

Lei n° 4.888, de 9 de dezembro de 1965.

Faço saber que o CONGRESSO NACIONAL decreta e eu sanciono a seguinte Lei:

Art. 1° Fica proibido pôr à venda ou vender, sob o nome de couro, produtos que não sejam obtidos exclusivamente de

pele animal.
Art. 2° Os produtos artificiais de imitação terão de ter sua natureza caracterizada para efeito de exposição e venda.
Art. 3° Fica também proibido o emprego da palavra couro, mesmo modificada com prefixos ou sufixos, para denominar
produtos não enquadrados no art. 1°.
Art. 4° A infração da presente Lei constitui crime previsto no art. 196 e seus parágrafos do Código Penal.
Art. 5° …Vetado…
Art. 6° Revogam-se as disposições em contrário.

 

 

Brasília, 9 de dezembro de 1965; 144° da Independência e 77° da República. – PRESIDENTE DA REPÚBLICA